Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog sobre tudo e nada

O nome diz tudo, blog pessoal, partilhado com o mundo e para não ser levado (demasiado) a sério!

Blog sobre tudo e nada

O nome diz tudo, blog pessoal, partilhado com o mundo e para não ser levado (demasiado) a sério!

09
Out17

Meu lindo Porto

Todos os sábados me dirijo à minha segunda cidade, a bela da IMBICTA!! Estou a frequentar um curso, nas manhãs de sábado, de modo que mato sempre as saudades da cidade nesta altura, mas confesso que já há bastante tempo que ir para o Porto se torna um 31 do caraças...o trânsito infinito, o boom de gente que não sei de onde surgiu, o acumular de trabalho que me esgota e que mal chega o sábado penso: Lá tenho eu de ir ao Porto, outra vez! 

 

Este sábado aproveitei para estar com uma amiga minha, que apesar de viver no Porto já não a via desde Março  é triste , mas é a verdade...o people deixa-se levar pelas rotinas e depois esquece-se de aproveitar os momentos com aqueles de quem mais gosta...

 

Combinamos almoçar na Baixa, na hamburgueria steak and shake (mais uma comparação para o Best Burguer ) e qual é o meu espanto que depois de deixar o carro, no parque dos aliados, me deparo com uma fila de km de pessoas para entrarem na livraria LELO . As esplanadas estavam a abarrotar de gente, ouvia-se um italiano perfeito nas ruas, um inglês puxado e até um alemão ranhoso  era estrangeirada que não se podia...Até ao almoço fiquei incomodada com as pessoas que tiravam fotos à parede de azuleijos da Joana Vasconcelos, cartão de visita da hamburgueria steak and shake, que tem algumas mesas junto às janelas da obra de arte e numa das quais nós estávamos a almoçar.

 

 

Depois de almoço, seguimos para uma cusquice de esplanada e decidimos matar saudades dos melhores eclairs da cidade, na Leitaria da Quinta do Paço, mesmo ali ao lado. Após uma longa espera no atendimento, os sumos naturais vieram em todo o seu esplendor "NATURAL" e estavam quentes, porque laranjas no frigorífico é old school... Foi uma desilusão tão grande...estava um calor dos diabos, uma confusão de gente que só visto...tudo estava cheio.

 

Percebo que é ótimo para o nosso comércio, a nossa economia a fluir, mas fica impossível para os da casa usufruirem da nossa cidade tão linda e única. 

 

Portugal está na moda, ganhámos o óscar do turismo, sabemos receber, temos qualidade (ainda não vi comida melhor que a nossa ) e somos um povo simpático e até submisso para com a estrangeirada... óbvio que quem vem, gosta e revisita, mas tenho saudades do meu Porto de há 8/10 anos atrás, onde era tudo tão mais calmo 

 

 

14
Ago17

Marrocos #7

E chegamos ao último dia desta aventura! O dia era livre e hoje não tínhamos guia, apenas uma grande vontade de bisbilhotar em torno da cidade vermelha e ver o que esta ainda nos tinha para oferecer!

 

Queria muito visitar os Jardins Majorelle e visitar a antiga casa do designer Yves Saint Laurent, que hoje funciona como museu da cultura berbere. A exposição estava muito bem conseguida, com réplicas lindíssimas dos trajes e adereços do povo berbere, em diferentes épocas, mas que infelizmente não pude fotografar, uma vez que não era permitido. Os jardins Majorelle são lindos, tendo várias espécies de cactos, palmeiras e bambu, com várias zonas de sombra e um memorial ao Yves Saint Laurent.

 

Para os amantes de compras e moda, existe uma loja no interior dos jardins, onde temos disponíveis algumas peças de roupa e acessórios de moda (pechinchas ) para venda e um café com esplanada, para se degustar um chá de menta! 

 

 

No final da visita, apanhámos um táxi e vontamos para junto da praça Jemaa el Fna, que durante o dia é uma sombra da agitação noturna. Praticamente só andam turistas e são muitos os souks que ainda se encontram fechados. Aproveitamos para comprar algums recordações, tinha de trazer umas babouchas, as "chinelas" típicas de marrocos e uns recuerdos para os amigos/familia.

 

Durante a tarde tive a oportunidade de experimentar mais uma coisa tipicamente marroquina, o banho Hammam, que consistiu basicamente em deitar-me sobre uma mármore quente, ao mesmo tempo que me massajavam com sabão preto (para abertura dos poros da pele). Depois há a fase de esfoliação, onde eu não fazia ideia que tinha tanta pele morta (levei uma tareia descomunal) e de seguida fui besuntada com argila preta, enquanto levava mais uma massagem. Todo o processo é lento e nos intervalos estou deitada sobre a mármore quente, a relaxar. No final dão-me banho como se ainda fosse uma bebé, com gel de banho, shampo e máscara de casca de laranja (tinha um cheirinho muito bom ) e no final de tudo sou encaminhada para uma pseudo-piscina de água fria, onde relaxo mais um pouco...no final sou encaminhada para uma sala de esteiras de madeira, tomo um chá de menta e entro em sono profundo por duas horas ...foi a sensação mais incrível de sempre  a minha pele ainda hoje está super macia, eu relaxei demasiado...e os meus pés desincharam totalmente!!! 

 

Depois do sono dos justos fui aproveitar os últimos raios de sol na praça Jemaa el Fna, apreciar o pôr-do-sol da esplanada do café Glacier e absorver toda a energia que a noite marroquina oferece. Aquela praça ganha vida depois das 19h 

 

 

E assim termina a aventura por terras marroquinas! Ficaram alguns locais por visitar, a cidade azul de Chefchaouen, praia de Essaouira ou Agadir, entre outros. Também teria prolongado a estadia no deserto por mais uma noite, já que vale realmente a pena vivênciar esta experiência.

Foi uma viagem muito enriquecedora, abriu a mente e chamou-me à atenção para uma cultura tão diferente, a uma distância tão curta do nosso país (1h15m de Lisboa). 

 

Para quem tenciona ir a Marrocos, recomenda-se:

 

  • Cuidado especial com a comida, principalmente para os mais sensíveis, uma vez que as comidas são apuradas e muito condimentadas, podendo ferir os intestinos mais sensíveis;
  • Beber muita água (engarrafada), principalmente no verão, pois as elevadas temperaturas puxam a uma forte hidratação;
  • Levar um kit medicamentos, contendo imódium e anti-inflamatório, toalhitas, gel desinfectante para as mãos e água thermal para se refrescar regularmente;
  • Fazer câmbio no aeroporto, trocando euros por dirhams porque as taxas de levantamento e pagamentos são muito elevadas;
  • Levar chapéu ou lenço para a proteção da cabeça;
  • Roupa leve e fresca;
  • Calçado muito confortável, com o calor, os pés incham imenso;
  • Cuidado com as fotografias que pretende tirar, nem sempre as pessoas gostam que lhes fotografe as bancas ou mesmo as caras;
  • Regatear sempre os preços ao máximo.
  • Andar sem medo nas ruas, existem bastantes vendedores ambulantes que o vão abordar para comprar os seus produtos, no entanto se não estiver interessado, basta não olhar e não responder a nada...quando vêm que não temos interesse já não insistem.
  • Em Marrakech convém andar mais atento, principalmente na praça Jemaa el Fna, por vezes surgem confusões para distração dos turistas e benefício de carteiristas. Tenha o seu telemóvel também guardardo, pois há muitas motas a circular e por vezes podem arrancar-lhe o telemóvel e desaparecer na confusão. 

 

De resto, vão sem medo e disfrutem cada pedacinho da viagem!!! 

Boas férias***

 

 

 

 

14
Ago17

Marrocos #6

Primeira impressão de Marrakech...CONFUSÃO!!!

O trânsito caótico, a multidão espalhada, diferentes cheiros nas ruas, pobreza, riqueza, souks, a arquitetura incrível, bem vindos à cidade vermelha!

 

Este dia foi dedicado à cultura, tinhamos connosco uma nova guia, a Hanna, que nos levou aos principais monumentos e a nossa primeira paragem foi na Mesquita da Koutoubia, um dos monumentos mais representativos de Marrakech. Bem perto da praça Jamaa el Fna, ao lado da avenida Mohamed V, a Koutoubia destaca-se pelo seu minarete de 69 m de altura, o edifício mais alto da cidade.

 

Da Mesquita seguimos para os Túmulos Saadis. O mausoléu contém os cadáveres de cerca de 60 membros da Dinastia Saadi que se originou no vale do Rio Draa e ficou conhecida por derrotar o nosso rei D. Sebastião (de quem ainda hoje esperamos que volte por entre o nevoeiro).

 

A próxima visita foi o palácio  construído no final do séc. XIX. de Abu Bou Ahmed.

A beleza e gradiosidade deste edifício é incrível! 

A parte mais interessante (insólita) do Palácio da Bahia é o harém das 4 esposas e 24 concubinas de Abu Bou Ahmed.

(o jardim das concubinas)

 

 (os tectos das diferentes divisões são únicos e de uma beleza singular)

 

Neste dia, o calor era muito e só queríamos um sítio para almoçar com ar condicionado,  para refrescar. Voltamos em direção à praça Jamaa el Fna, e por entre os souks, descobrimos o restaurante Mythe que foi o nosso ponto de encontro para as refeições que se seguiram, graças à variedade de pratos que apresenta, aos preços acessíveis e ao serviço que é bastante rápido! 

 

O último ponto turístico deste dia foi a visita à Medersa Ben Youssef , onde se pode visitar as antigas camaratas dos alunos (embora estejam já em ruínas, algumas), a zona de estudo e o pátio central. A estrutura actual desta escola corânica foi construída em meados de 1570 e restaurada em 1950.

 

 

Regressámos todos ao Riad para escapar às elevadas temperaturas da tarde, mas no final do dia voltámos todos à  famosa praça Jemaa el Fna para beber um ótimo sumo de laranja, jantar e apreciar as atracções, aquando do belo por do sol 

 

 

 

 

 

 

 

 

11
Ago17

Marrocos #5

Depoois de uma noite descansada, é tempo de seguirmos viagem, com destino a Marrakech, passando por Ouarzazate, não sem antes pararmos a visitar o Kasbah Amridil conhecido por servir de cenário a alguns filmes, tais como Ali baba e os 40 ladrõesLawrence of Arabia e também por estar presente nas antigas notas de 50 dirhams.

Atualmente este Kasbah é tido como museu, tem visitas guiadas e os responsáveis pelas mesmas são incríveis, muito bem humorados, super simpáticos e bem dispostos. Explicam ao pormenor a história do local e dos seus antigos residentes. Foi uma surpresa agradável esta visita, sugerida pelo nosso guia Youssef, de Rutas a marruecos.

 

Após a visita seguimos caminho, para Ouarzazate, cidade conhecida como sendo o Hollywood marroquino, já que é conhecida pelos seus estúdios de cinema. 

Pelo caminho fizemos várias paragens, mas esta agradou-me em especial, pois consegui vislumbrar o Kasbah Ait Ben Haddou, onde a pricesa Khaleesi de GOT  conquistara mais uma batalha.

 

 

 

Depois de almoço seguimos pelas montanhas, Tizi N’Tichka, com 2.260m de altitude e onde o clima era super fresco, comparativamente com o resto e até o ventinho fresco soube pela vida!!  

 

 

Ao final da tarde já estavamos a chegar a Marrakech...e aqui sim começa a confusão  

 

Estes 3 dias podem ser resumidos em mais de 1000km. 

 

 

 

10
Ago17

Marrocos #4

A dormida no deserto é incrível, não se ouve vivalma, o calor é muito sim, mas a vontade de ver o nascer do sol também era muita, que logo desvaneceu porque o céu não estava totalmente limpo...mas os nossos olhos ficam deturpados e não conseguimos distinguir bem as horas que são. Passou tudo a correr, dormimos a correr, depois de uma noite tão estrelada e de uma festa só nossa...a areia do deserto é super macia, parecia que pisava claras em castelo. É uma experiência única e que tem de ser vivida para que estas palavras façam sentido! 

 

Um local onde nos encontramos em paz de espírito, onde não há pressas e onde o tempo passa por nós sem nos apercebermos...

 

Depois de um super pequeno-almoço (quando me lembro, babo muito ) seguimos a nossa viagem, de dromedários novamente para o ponto de encontro, onde teríamos um mini-bus à nossa espera.

 

A viagem é feita nestes preparos, todos em filinha e muito ordeiros... 

 

Ao chegarmos ao final da viagem de dromedários, tivemos contacto com crianças locais, que andavam a vender umas peças de artesanato, às quais ninguém resistiu, não por serem incomuns na zona, mas pela vontade de ajudar aquelas crianças que debaixo de um calor imenso, estavam descalças a saltar das dunas e sem nada para beber. Distribuímos biscoitos pelos miúdos, água e o melhor de tudo, sorrisos  olhar para aquelas caras de traquinas, mas com um sorrisão no rosto, que alegria, encheu-nos o coração! No final seguimos a nossa viagem e a próxima paragem foi em Rissani, onde aproveitamos para conhecer o mercado famoso por ser o único na zona e onde todos os nómadas se abastecem.

 

Seguimos caminho e apreciamos a porta do deserto, na mesma localidade.

A nossa paragem seguinte foi na cidade de Erfoud, onde aproveitámos para visitar uma fábrica de tratamento de fósseis e minerais. Ouvimos uma breve explicação sobre a origem de cada tipo de fósseis e aproveitamos para ver alguns trabalhos feitos com os mesmos. Claro que dava vontade de trazer tudo!!! 

 Entretanto fizemos uma paragem para eu poder fazer uma "tatuagem" típica, uma Hena, que entretanto já saiu na sua totalidade, mas que durante uns dias pude apreciar!! 

Ao final da tarde chegámos às Gargantas del Todra, onde pudemos sair, aproveitar o frequinho da água e a beleza natural do local. O caudal do rio Todra formou um desfiladeiro de paredes verticais, de grandes proporções e com uma beleza única, onde os amantes de escalada batem palminhas de alegria.

No caminho até às gargantas, passámos por plantações de palmeiras de Tourog y de Tinjdad.

Terminamos o nosso dia no Valle de Dades, onde ficamos hospedados no Hotel Xaluca, que nos recebeu muito bem e onde tínhamos uma piscina à nossa espera para um refresco!! 

(Vista do quarto do Hotel)

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D