Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog sobre tudo e nada

O nome diz tudo, blog pessoal, partilhado com o mundo e para não ser levado (demasiado) a sério!

Blog sobre tudo e nada

O nome diz tudo, blog pessoal, partilhado com o mundo e para não ser levado (demasiado) a sério!

17
Jul17

Projecto Best Burguer #3

Este fim de semana foi passado na cidade da "Imbicta"  e claro está, a barriguinha ficou cheia, com boa paparoca e a mente desanuviou da rotina semanal. 

 

Quando nos juntamos a amigos, a diversão é garantida, mas se os amigos forem badoxinhas como nós, não só temos a alegria atestada, como o estômago bem aconchegado e a junção perfeita! 

Ontem foi dia de experimentar sítios novos, reservamos a tarde para uma "festa na praia", em Gaia, na praia da Madalena, onde o Daiquiri Lounge Bar comemorava 1 ano de existência e apesar de o sítio ser interessante e até muito bem localizado, o aglumerado de gente era tal que só nos queríamos vir embora, os mojitos deixaram muito a desejar e para compensar o desgosto de final de tarde, regressámos ao Porto para um jantarzinho na Baixa.

 

O local escolhido foi a Hamburgueria Honorato, e ficámos todos bem impressionados. 

O espaço é bastante agradável, bem decorado, muito bem localizado, juntinho à Torre dos Clérigos e o atendimento não deixou nada a apontar.

Somos recebidos à porta e encaminhados de seguida a uma mesa livre. Não tínhamos qualquer tipo de reserva, mas também não houve dificuldade em arranjar uma mesa para 4, num Domingo à noite.

A nossa mesa era de frente para a cozinha, com vista priveligiada sobre a confeção dos hamburgueres e a ementa dispunha de 14 diferentes.

 Eu optei pelo Capitão Fauto, trocando o meu "amigo" agrião por alface e gostei bastante. Para a mesa, vieram também as opções Honorato e X-Tudo, tudo em versões normais, já que há possibilidade de pedir o mini-hamburguer. 

 

Capitão Fausto

X-Tudo

Honorato

 

Todos os hamburgueres vêm acompanhados de batatas fritas e maionese de alho 

Mais uma vez, venho a uma hamburgueria que separa a salada do hamburguer com uma fatia de pão, impedindo assim que a salada fique quente e mole, e assim, em cada garfada a salada está fresca e a alface fica impecável.

Confesso que a minha escolha, Capitão Fauto, baseou-se no molho barbecue e na opção de pickles (que eu adoro) e mais uma vez a cebola vinha caramelizada no molho adocicado, sendo uma ótima alternativa para quem não aprecia cebola crua (o meu caso). 

O hamburguer estava grelhado em ponto médio, ótimo, com a carne rosada e muito saborosa.

As batatas fritas estavam bem sequinhas de óleo e não eram congeladas  o que melhora em muito o prato!

 

Avaliação:

  • Espaço - 9 (uma decoração engraçada, não é um espaço muito grande, mas curiosamente o ambiente é bastante sossegado. O WC não combina muito com o espaço, fica em piso inferior e tem muito pouca luz)
  • Qualidade dos ingredientes - 9 (num dos pratos o ovo veio passado demasiado, mas no geral, nada a apontar)
  • Aspecto do prato - 5 (nada de especial)
  • Sabor do hamburguer - 8.5 (falando apenas do Capitão Fausto, ótima junção da cebola com o molho barbecue e os pickles, o hamburguer grelhado era realmente muito bom e mesmo sem molho aquele hamburguer estava no ponto, gostei bastante
  • Relação qualidade/preço - 8.5 (preço bom para a Baixa portuense)
  • Serviço de atendimento - 10 (nada a acrescentar )

Traduzindo em percentagens:

 

Espaço10%0.9

Serviço de atendimento

15%1.5
Aspecto do prato5%0.25
Qualidade dos ingredientes25%2.25
Sabor30%2.55
Realção qualidade/preço15%

1.275

Total 100%8.725

 

Quem andar pelo Porto e quiser aconchegar o estômago com um hamburguer artesanal top, já sabe, Honorato é uma boa opção , recomendo!

 

Boas gordices! 

 

07
Jul17

Choca ou não choca??

 

Hoje, é mais um dia 7 e com ele, chega às bancas a revista mensal Cristina. Este mês, o tema é o preconceito e muita "tinta" já rolou nas redes sociais a propósito das duas capas escolhidas para promoção da resvista.

 

Há uns dias que foi lançanda a discução, primeiro com uma suposta capa provocante/chocante, com um beijo entre um casal heterossexual e recentemente as duas capas finais, que entraram nas vendas hoje.

 

O tema escolhido é polémico, mas não é de hoje! Sempre que se tenta abordar o tema da homossexualidade as opiniões são as mais variadas e distintas.

 

Na minha opinião, isto não choca nada! São duas pessoas que trocam um beijo, como  aqueles que eu troco com o meu namorado! Simples assim. Aliás, os beijos com o meu namorado são ligeiramente diferentes, porque muitas vezes apanho o moço com os olhos abertos e mando vir com ele que não está a ser romântico!!  Mas tirando isso...são iguais e a finalidade do beijo, em todos os casos é a mesma, demonstração de carinho e amor 

 

As redes sociais encheram-se de comentários em torno deste assunto, uns a parabenizar a coragem da revista em apostar neste assunto tão polémico e outros muito desagradáveis onde reinava a ofensa e a tirania de gente que que tem muito tempo livre, a juntar a uma vida desgraçada, onde o cocktail final é comentário de MERDA!

 

Se estes comentários maldosos viessem de pessoas com mais idade, que não estão habituadas, nem foram educadas num meio, onde existisse  se mostrassem afectos entre pessoas do mesmo sexo, ainda seria de desdramatizar a situação, agora quando os comentários homofóbicos vêm de jovens, que crescem em pleno século XXI, é de lamentar tal situação. Porquê este ódio todo? Inveja?! Revolta?! O que se passa com vocês jovens? 

 

A mim choca-me mais o facto de ter queimado as pestanas durante uns anos na faculdade, ter passado algumas noites sem dormir por causa dos ditos "cadeirões", para no final das contas começar a trabalhar e ganhar uma miséria no final do mês! 

Revolta-me mais as consequências drásticas do incêndio de Pedrogão Grande que tirou a vida a muitas pessoas e deixou outras tantas sem nada;  tenho mais inveja daqueles que estão de férias, a apanhar um solinho e a activar a melanina, enquanto bebem pinacoladas nas piscinas dos hotéis, enquanto eu estou enfiada num escritório, a fazer muitas contas e pensar no ordenado miserável que vou receber depois! 

 

Menos ódio, mais amor e respeito, por favor!! 

 

 

 

 

03
Jul17

Passadiços do Paiva

Já andava há imenso tempo para visitar/conhecer os passadiços do Paiva, em Arouca, e sábado passado (01/07/2017) foi o dia de passar à ação! 

 

Para os interessados no mesmo, aconselho a compra antecipada dos bilhetes no site oficial dos passadiços, aqui.

 

Tivemos muita sorte com o tempo, da parte da manhã, estava calor, mas corria uma brisa fresca, que ajudava na caminhada e da parte da tarde, o calor, apesar de algum, foi suportável, sem problemas.

 

Iniciámos a caminhada por volta das 11h20, depois de fazer um pré pic-nic, onde se aconchegou bem o estômago  e lá começámos a aventura, no sentiro Areinho - Espiunca.

 

O início deste trajecto é chato, subimos alguns lances de escadas até encontrarmos a zona "oficial" de entrada, mas durante uns lances e outros uma pessoa pára, aprecia a vista, as cabrinhas que andam por ali a passear no monte e lá chegamos à entrada. A partir daqui é quase sempre a descer 

 

Durante o trajeto encontramos alguns Geossítios, devidamente identificados: Garganta do Paiva, Cascata das Aguieiras, Praia Fluvial do Vau (bom spot para o pic-nic), Gola do Salto  e ainda a Falha de Espiunca.

 

Na minha opinião, é um trajeto a fazer com calma, sem pressas, levar comida e bebida (água é essencial), parar ao longo do passadiço para apreciar a vista, fazer os desvios possíveis para aproveitar ao máximo.

 

Por volta das 13h parámos na praia Fluvial do Vau, para almoçar. o local dispõe de muita sombra, ótimo para carregar baterias para os pouco mais de 3km que ainda temos pela frente. O rio não estava muito convidativo a banhos, pois duas semanas antes, houve umas enxurradas de chuva e o fundo do rio estava completamente "sujo" e eu confesso que gosto de saber aquilo que ando a pisar. Andava pelo rio, todo contente, um pato selvagem, que ainda fez as delícias dos que lá andavam com um espetáculo de "natação acrobática".

 

Após uma sesta, para recuperação de baterias, seguimos caminho e a partir daqui o calor era mais acentuado, já tínhamos alguns km's em cima das pernas, mas a vontade de encontrar a placa dos 8km era tanta que ainda se fez a última subidinha com "uma perna atrás das costas" 

 

Chegados à Espiunca, aproveitamos o café e a esplanada para recuperar o fôlego e seguimos para o táxi que nos iria levar de volta ao parque de terra batida, onde tinhamos deixado o carro inicialmente.

 

Tudo foi feito nas calmas, mas ainda passámos por uns grupos onde a adrenalina reinava e estavam dispostos a fazer os dois trajectos 

O site dos passadiços explica bem o que podemos encontar e caso tivesse mais tempo, teria sido interessante ter ficado o fim de semana na zona, a aproveitar a restauração local e passear por Arouca.

 

Hoje, segunda-feira, a sensação que tenho é de que não tenho gémeos nas minhas pernas  o que poderá servir como um grande abre-olhos para o sedentarismo que ando a "praticar"

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D